quarta-feira, 6 de junho de 2018

Rita

Não sou a sua outra metade
Você também não é a minha
Somos mais que isso
Na verdade, somos inteiros
Um para o outro...

Depois de um boa noite!
Vem sempre um bom dia!
Assim passam os anos
Momentos de tristezas
Muitos de alegrias...

Se há felicidades
É porque juntos enfrentamos os desafios...

Sou um atrevido
Aprendi contigo
As classes gramaticais
Agora emprego consciente os substantivos
Companheira, amante e querida...

Minha poesia é para você
Busco no seu nome a rima
Encontro na chama
Chama do fogo que crepita
Tem todo o sentido...

Se há cumplicidades
É porque juntos seguimos a estrela guia...

                       João Crispim Victorio

Rio, 06 de junho de 2018.



terça-feira, 29 de maio de 2018

Encontro com Lula na prisão: espiritualidade e política

08/05/2018
       No dia 7 de maio cumpriam-se 30 dias de prisão do ex-presidente Lula. Foi-lhe concedida pela primeira vez receber a visita de amigos. Tive a honra de ser o primeiro a encontrá-lo pela amizade de mais de 30 anos e pela comunhão de causa: a libertação dos emprobrecidos e para reforçar a dimensão espiritual da vida. Cumpri o preceito evangélico:”estava preso e me visitaste”.
        Encontrei-o como o conhecemos fora da prisão: rosto, cabelo e barba, apenas levemente mais magro. Os que queriam vê-lo acabrunhado e deprimido devem se decepcionar. Está cheio de ânimo e de esperança. A cela é um amplo quarto, muito limpo, com armários embutidos, banheiro e chuveiro numa área fechada. A impressão é boa embora viva numa solitária, pois, à exceção dos advogados e dos filhos, só pode falar com o guarda de origem ucraina, gentil e atento, que se tornou um admirador de Lula.Traz-lhe as marmitas, ora mais mais quentes ora mais frias e café, sempre que solicita. Lula não aceita nenhum alimento que os filhos lhe que trazem, porque quer se alimentar como os demais presos, sem nenhum privilégio. Tem seu tempo de tomar sol. Mas ultimamente, enquanto o faz, aparecem drones sobre o espaço. Por precaução Lula logo vai embora, pois não se sabe qual seja o propósito destes drones, fotografá-lo ou, quem sabe, algo mais sinistro.
      O importante foi a conversação de natureza espiritual na qual se misturavam observações políticas.. Lula é um homem religioso, mas da religiosidade popular para a qual Deus é uma evidência existencial. Encontei-o lendo um livro meu, “O Senhor é meu pastor”,(da Vozes) um comentário do famoso salmo 23 o mais lido dos salmos e também por outras religiões. Sentia-se fortificado e confirmado, pois a Bíblia geralmente critica os pastoes políticos e exalta aqueles que cuidam dos pobres, dos órfãos e das viúvas. Lula se sente nesta linha, com suas política sociais que beneficaram a tantos milhões. Não aceita a crítica de populista, dizendo: eu sou povo e vim do povo e oriento o mais que posso a política para ele.
     Na cabeceira da cama há um crucifixo. Aproveita o tempo de reclusão estrita para refletir, meditar, rever tantas coisas de sua vida e aprofundar as convicções fundamentais que dão sentido a sua ação política, aquilo que sua mãe Lindu (que a sente como um anjo protetor e inspirador) sempre lhe repetia: sempre ser honesto e lutar e mais uma vez lutar. Vê nisso o sentido de sua vida pessoal e política: lutar para que haja vida digna para todos e não só para alguns à custa dos outros. A grandeza de um político se mede pela grandeza de sua causa, disse enfaticamente. E a causa tem que ser produzir vida para todos a começar pelos que menos vida têm. Em função disso não aceita derrotas definitivas. Nem quer cair de pé. O que não quer é cair. Mas manter-se fiel a seu propósito de base e fazer da política o grande instrumento para ordenar a vida em justiça e paz para todos, particularmente aos que vivem no inferno da fome e da miséria.
       Esse sonho possui grandeza ética e espiritual inegável. É à luz destas convicções que se mantém tranquilo, pois diz e repete: vive desta verdade interior que possui força própria e vai se revelar um dia. “Só quero”, comentava, “que seja depois de minha morte, mas ainda em meu tempo de vida”. Indigna-se profundamente por causa das mentiras que divulgam contra ele e sobre elas montaram o processo do triplex. Pergunta-se, como podem as pessoas mentirem conscientemente e poderem dormir em paz? Faz um desafio ao juiz Sérgio Moro: “apresente-me uma única prova sequer, de que sou dono do triplex de Guarujá. Se aprensentar renunciarei à candidatura à presidência”. Recomendou-me que passasse esse recado à imprensa e aos que estão no acampamento:“Sou candidatíssimo. Quero levar avante o resgate dos pobres e fazer das política sociais em prol deles, políticas de Estado e que os custos que são investimentos entrem no orçamento da União. Irei radicalizar estas políticas para os pobres, junto com os pobres e dignificar nosso país”.
        A meditação o fez entender que esta prisão possui um significado que transcende a ele, a mim e às disputas políticas. Deve ser o mesmo preço que Gandhi e Mandela pagaram com prisões e perseguições para alcançarem o que alcançaram. “Assim creio e espero”, dizia, “que é o que estou passando agora”.
     Eu que entrei para anima-lo, saí animado. Espero que outros também se animem e gritem o “Lula livre” contra uma Justiça que não se mostra justa.

Leonardo Boff é teólogo e escreveu: Brasil: concluir a refundação ou prolongar a dependênciancia,Vozes 2018.

quarta-feira, 23 de maio de 2018

E.M. Medalhista Diego Hipólito

Conversando Sobre Índio
Poesias Indígenas na Escola

Trabalho realizado com alunos do 9º Ano 




 











 
 




















Rio de Janeiro 16 de Maio de 2018









terça-feira, 15 de maio de 2018


Todo 19 de abril, comemoramos no Brasil o Dia do Índio – mas este povo merece ser exaltado todos os dias do ano, e, acima de tudo, respeitado. Para ajudar a fazer a diferença em relação a este assunto, o professor João Crispim Victorio lança “Nativos de Pindorama – Conhecer para respeitar é preciso”.
A obra vem para fazer valer a inclusão da disciplina “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena” no currículo oficial da rede de ensino. Além disso, o autor quer ajudar a desmistificar questões acerca do povo indígena, principalmente lutando contra o preconceito e a sua marginalização.
Os índios continuam em luta por seu merecido espaço, principalmente relacionados ao poder público. “Nativos de Pindorama – Conhecer para respeitar é preciso” traz muitos estudos e reflexões sobre o assunto, pelas mãos de Crispim, um professor que mergulhou na temática, discorrendo e argumentando com excelência.
João Crispim Victorio nasceu na cidade do Rio de Janeiro, no bairro de Campo Grande, em 05 de dezembro de 1964. Estudou nas escolas públicas, nas quais gostava de estar, onde começou a se encantar com as letras e as histórias. Formou-se em Química e Pedagogia, atua como professor das redes pública e privada de educação. O autor, desde criança, encanta-se com a organização social e importa-se com as questões indígenas. Para ele, o dia do índio é todo dia. João Crispim Victorio é autor dos livros: Sobre o Trabalho que Falo… (2013) e Sobre o Rio que Falo… (2015) e Sobre Nós que Falo… (2017).



segunda-feira, 7 de maio de 2018


A mesma história

O menino sai de casa
Quando vai alta madrugada
Corre atrás de um emprego
Não é o último, nem o primeiro
Espera o trem na estação
Aprendeu desde cedo está lição
Perde os sonhos na realidade
Infância extirpada à metade...

Acabou-se a brincadeira
Vai trabalhar numa caldeira
Magro corpo esmirrado
É só mais um pobre coitado...

O menino volta a casa
Quando o sol se foi na longa estrada
No semblante o ar tristonho
Feito toda aquela gente grande
Fim de mais um dia de trabalho
Glória esperada por todo operário
O chão da fábrica é sua prisão
Símbolo forte da malvada opressão...

Tiraram-lhe os livros
Os seus passos não são mais livres
O menino transformou-se num rapaz
Seu sorriso pouco a pouco foi ficando para trás...

Na ilusão de ser um homem de verdade
Cresce na expectativa da tal oportunidade
Não entende os motivos de tantas desgraças
Por conta disso toma mais um gole de cachaça
Mas parece ser sempre a mesma história
Sente agora falta da sua velha escola
Nesses momentos tem um aperto no coração
Segura suas lágrimas porque homem não chora não...


Poema de João Crispim Victorio
Livro: Sobre o Trabalho que Falo... (2013)

segunda-feira, 19 de março de 2018

Palavras de vida
     (João Crispim Victorio)

Vá cantador
Vá cantar cantigas de amor
Para esse povo sofredor
Tu o poeta
Caminhante sem pressa
Falante do que interessa...

Vá cantador
Vá poeta
Vá estancar a dor
Secar o suor do trabalhador
Enxugar suas lágrimas
Com palavras de sabedoria e amor...

Vá cantador
Vá poeta
É o Nordeste de portas abertas a irradiar o Brasil
Vá sem prepotência, sem arrogância
Leve como a criança
A necessária "acordância" ao povo servil...



                                            Rio de Janeiro, 18 de março de 2018.



Jessier Quirino, Arquiteto por profissão, poeta por vocação, matuto por convicção. Apareceu na folhinha no ano de 1954 na cidade de Campina Grande, Paraíba e é filho adotivo de Itabaiana também na Paraíba, onde reside desde 1983.

Filho de Antonio Quirino de Melo e Maria Pompéia de Araújo Melo e irmão mais novo de Lamarck Quirino, Leonam Quirino, Quirinus Quirino e irmão mais velho Vitória Regina Quirino.

Estudou em Campina Grande até o ginásio no Instituto Domingos Sávio e Colégio Pio XI. Fez o curso científico em Recife no Esuda e fez faculdade de Arquitetura na UFPB – João Pessoa, concluindo curso em 1982. Apesar da agenda artística literária sempre requisitada, ainda atua na arquitetura, tendo obras espalhadas por todo o Nordeste, principalmente na área de concessionárias de automóveis. Na área artística, é autodidata como instrumentista (violão) e fez cursos de desenho artístico e desenho arquitetônico. Na área de literatura, não fez nenhum curso e trabalha a prosa, a métrica e a rima como um mero domador de palavras.






Natural de Brasília, Túlio Borges é cantor e compositor premiado em diversos festivais no Brasil. Em 2010, lança seu primeiro disco. O álbum Eu venho vagando no ar apresenta canções autorais e rende elogios de grande parte da crítica nacional, como Tárik de Souza e Zuza Homem de Mello, além do prêmio de melhor cantor independente pela Rádio Cultura de São Paulo e a nominação de um dos 50 melhores discos do ano pela Revista Manuscrita.

Em 2015, lança o álbum, Batente de Pau de Casarão. Dedicado à cidade pernambucana de São José do Egito, conhecida com capital da poesia, o disco é repleto de parcerias com poetas nordestinos, como Climério Ferreira (PI), Jessier Quirino (PB), Afonso Gadelha (PB) e José Chagas (MA). O trabalho é escolhido como um dos 3 melhores discos brasileiros do ano, pelo site Melhores da Música Brasileira.

Produtor musical em diversos projetos, Túlio lança em 2017 o seu 3° álbum, Cutuca meu peito incutucável, exclusivamente sobre a paixão. Ainda em 2017, entra em estúdio com seu mais novo projeto O Maior beliscão do alicate, arranjado com inequívocas influências da música eletrônica, do rock alternativo e do jazz.










Rita Não sou a sua outra metade Você também não é a minha Somos mais que isso Na verdade, somos inteiros Um para o outro... ...