quarta-feira, 22 de junho de 2016

Uma singela homenagem ao querido companheiro, Rafael. 

Santa Margarida 

        I 

Guardo vivo na lembrança
O bairro onde morei
As ruas de chão por onde corri
As brincadeiras que brinquei

Feliz foi minha infância
Cacei passarinhos
Fiz cabana em terrenos baldios
Peguei frutas no quintal vizinho

Comi farofa de tanajuras
Tive carrinho de rolimã
Tomei banho de chuva
Fiz mil travessuras 

Lá me tornei adolescente
Fiz amizades duradouras
Estudei todo o fundamental
Fui namorador inconsequente 

Tudo era colorido
Como flores no jardim do meu quintal... 

Era ainda menino
Quando se tornou elétrica
Foi uma grande festa
O “bendito” progresso estava chegando 

Suas ruas foram revestidas
Ganharam luto oficial
Tudo é de cimento e ferro
Imenso muro irracional 

As crianças vivem presas
Seus pés não tocam a terra
Estão tristes e obesas
Não brincam minhas brincadeiras 

Cadê as pessoas?
Antes enchiam as calçadas e praças
Hoje vivem trancadas em casa
Manipuladas frente à televisão... 

Estamos todos doentes
Morrendo de solidão...
       II 

Guardo vivo na memória
O bairro onde morei
Minha juventude
Os amigos que lá deixei... 

Os sonhos compartilhados
O campinho para jogar bola
As conversas na esquina
As paqueras na escola 

As noites bastante frias
O primeiro beijo na namorada
As fogueirinhas e a viola
As festas de aniversários... 

Santa Margarida
Quantas saudades de outrora... 

Suas ruas largas
Grandes eram suas praças
Esquecida pelo poder público
Partida cidade... 

Bairro dormitório
Senzala dos escravos de agora
Gente trabalhadora
Lançadas à própria sorte 

Pobres sem escolaridade
Vitimas da segregação social
Buscam a tal oportunidade
Numa terra sem sal...

Sonhos de resistência
Conquista da liberdade...
       III 

Lembro com saudades
O lugar onde morei
As brincadeiras de criança
Os amigos que não esquecerei...

Minha casa grande sem beiral
Minha imensa família
Grande mesmo era o quintal...

Quantas histórias para Recordar
A escola pública que estudei
As peladas no final dos dias
A fogueirinha nas noites frias...

A velha viola e as novas cantorias
A turma reunida na mesma esquina
As festas na Paróquia
O grupo jovem em busca da utopia... 

Santa, minha Santa Margarida!
A negra Aparecida te protege e organiza... 

Viva o padre Rafael
Semeador de cidadania
Bendito sejam os frutos
Gestação bendita... 

Novas gerações há de surgir
Só de saber fico feliz...

Poema de João Crispim Victorio.
Livro: Sobre o Rio que Falo...
22 de junho de 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

2ª Caminhada Contra a Intolerância Religiosa  Campo Grande - Rio de Janeiro Setembro de 2018 Em construção                       ...