sexta-feira, 12 de maio de 2017

Companheirismo, quem é meu companheiro?
João Crispim Victorio[i]


          Recentemente fui chamado de companheiro por uma pessoa que julgo não saber o significado da palavra. Pois tenho observado que muitos vêm, ao longo dos últimos anos, utilizando o termo pura e simplesmente por modismo ou de forma incoerente com o seu verdadeiro sentido e significado. Dessa forma, podemos dizer que o termo companheiro vem sendo usado de modo genérico para identificar pessoas como pertencentes a um determinado grupo organizado, que pode ser partidário, sindical, religioso, cultural ou esportivo, independente da superficialidade ou do comprometimento de cada um no grupo.

          A etimologia da palavra companheiro[1] deriva da tradução do latim vulgar (‘cum’ + ‘panis’), na antiga Gália - atual França , de uma expressão germânica, "gahlaiba", composta de “ga” («com») + “hlaiba” («pão») – cf. Dicionário Houaiss, e do antigo castelhano compañero. Segundo, Antenor de Veras Nascentes[2] “o signficado no latim vulgar compania `conjunto de pessoas que comem seu pão juntamente´ ter-se-ia generalizado para `pessoas que vão juntas´ e, depois, se especializado, como termo militar e para fazer referência à `tripulação de uma embarcação´”.

          Como podemos ver a palavra companheiro que se referia a quem se comia junto o pão, foi perdendo seu significado. Hoje o sentido da palavra companheiro se confunde com o da palavra colega, conforme definição do Dicionário Aurélio[3] “1 aquele ou aquilo que acompanha ou que faz companhia. 2 - O que vive na mesma casa. 3 - Pessoa que partilha com outra(s) a profissão, as mesmas funções, a mesma coletividade. 4 - Pessoa que tem com outra ou outras uma relação de amizade ou camaradagem. 5 - Membro de um casal, relativamente ao outro. 6 - Segundo grau da ordem. 7 - Forma de tratamento amigável. 8 - Que acompanha ou faz companhia. 9 - Que anda junto. 10 - Que está sempre ligado a outro”. 

          Na origem, companheiro é alguém muito próximo que senta à mesa conosco para partilhar o pouco pão e compartilhar a luta por uma vida melhor. Assim nasceram as primeiras organizações operárias - os sindicatos[4]. A solidariedade entre os operários e suas famílias foi de fundamental importância na conquista de melhores salários, melhores condições de trabalho e fortalecimento de classe. Desse modo, companheirismo é um processo coletivo de construção ideológico no intuito de abraçar o ideal da transformação social “para que todos tenham vida, e a tenham em abundância[5]”, que significa ter casa, escola, trabalho, saúde e pão para comer, pão que historicamente é símbolo de acolhida e de solidarismo[6].

          Mas, infelizmente, alguns dos que se dizem companheiros, principalmente os que atuam com você nos sindicatos e nos partidos políticos, os que deveriam ter um mínimo de ideologia e saber que vivemos uma luta de classes. Justamente esses, agem sem nenhum escrúpulo e usam os outros companheiros para atingir seus objetivos escusos. Isso mos mostra a triste realidade da atual sociedade que vivemos. Então, é preciso recuperar os valores éticos, morais e solidários, que vêm sendo aos poucos ignorados e banalizados pelo poder opressor, desse sistema político capitalista que valoriza o individualismo, a vaidade e o consumismo em detrimento do companheirismo e da vida em plenitude.



Rio de Janeiro, 11 de maio de 2017.



[1] Disponível em: https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/a-etimologia-de-companheiro/33460. Acesso em: 11 de Maio de 2017. 

[2] Antenor de Veras Nascentes (6/1886 – 9/1972) filólogo, etimólogo, dialectólogo, e lexicógrafo brasileiro de grande importância para o estudo da lingua portuguesa. É considerado um dos mais importantes estudiosos da Língua Portuguesa do Brasil no século XX. Ocupou, como fundador, a Cadeira nº 3 da Academia Brasileira de Filologia. 

[3] Disponível em: ‹https://dicionariodoaurelio.com/companheiro›. Acesso em: 11 de Maio de 2017. 

[4] Disponível em: http://www.esquerdadiario.com.br/Origem-da-palavra-companheiro. Acesso em: 11 de Maio de 2017. 

[5] Disponível em: https://www.bibliaonline.com.br/acf/jo/10/10. Acesso em: 11 de Maio de 2017. 

[6] Termo criado pelo autor. 

[i] Professor, Especialista em Educação e Poeta. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Processo de Formação de Professores  e o Ensino de Química João Crispim Victorio [i]        Tomando por base a existência de um cont...